domingo, 8 de março de 2009

O figurino cinematográfico e a moda


Cena do filme Blade Runner (1982). Direção de Ridley Scott

O figurino cinematográfico pode revelar uma complexa linguagem visual, capaz de expressar modelos estéticos - culturais e simbolismos referentes a seu caráter formal. O figurino diga-se de passagem não engloba apenas a roupa, mas a maquiagem, cabelos, acessórios e adereços. É também a segunda pele do ator, sem o figurino o personagem está desnudo, sem vida e sem referências.
Do mesmo modo como na realidade cotidiana expressa pela moda, o figurino é uma linguagem e narra algo a respeito do personagem ali representado na tela. Cada elemento do figurino - a roupa, a maquiagem, o penteado e os adereços utilizados no espaço corpóreo têm um sentido determinado interligando o personagem a um tempo fixado no presente, no passado ou no futuro.
O sentido do figurino e da moda nasce sobretudo da visão dos espectadores, aqueles que não se limitam a decodificar um texto, mas que dialogam com ele, aludindo algo próprio do momento em que o interpetam.
O figurino e a moda contam histórias, levam consigo paixões e recordações, desenvolvem uma cartografia de tecidos, de cores, de estilo que são depositados como uma escritura no arquivo da memória, uma escritura móvel que modela o passado e prefigura o futuro e figura o presente.

Nenhum comentário: